Exposições

Memorial da Inclusão

img_post04

MEMORIAL DA INCLUSÃO: OS CAMINHOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

O documento não é inócuo. É antes de mais nada o resultado de uma montagem, consciente ou inconsciente, da história, da época, da sociedade que o produziram, mas também das épocas sucessivas durante as quais continuou a viver, talvez esquecido, durante as quais continuou a ser manipulado, ainda que pelo silêncio. O documento é uma coisa que fica, que dura… O documento é monumento”. Jacques Le Goff

Esta Exposição reúne aproximadamente seiscentos documentos, selecionados para compor uma leitura do movimento social da pessoa com deficiência, sua luta e conquistas. Tais documentos foram reunidos e sugeridos por uma equipe seleta de militantes do segmento, que disponibilizaram seus acervos pessoais e abriram os canais para o encontro sempre proveitoso com outros acervos e pessoas, também dispostas a contribuir para contar e relembrar os caminhos da pessoa com deficiência para a inclusão social.
A ideia original de contar a história do movimento social da pessoa com deficiência foi ampliada para memorial da inclusão, por considerar que as reivindicações e conquistas deste segmento são benefícios para toda a sociedade, apesar de reivindicações muito pontuais.

4159734195_f81b8282de_z
A ideia evoluiu para traçar os caminhos das pessoas com deficiência em prol de uma sociedade mais inclusiva e, assim, com esta proposta, estimular a reflexão de que as formas e frentes de ação do segmento contribuíram sobremaneira para conquistas constitucionais e legais e, fundamentalmente, para mudanças nos valores sociais, na percepção da sociedade sobre a pessoa com deficiência. Tais caminhos concederam à sociedade brasileira a oportunidade de compreender e aceitar o diferente e significar a diversidade.
O Memorial da Inclusão faz jus ao que se entende por história e por memória. Não existe nem história e nem memória puras. Elas são o resultado de escolhas, de seleção, voluntária ou involuntária: do historiador, da sociedade e do sujeito.
O documento/monumento, oficial ou pessoal (um manuscrito, uma foto, um objeto, entre outros), o testemunho, o ouvir dizer, as lembranças vívidas ou as vagas lembranças, tudo é material da história.
A memória e a história são dinâmicas, não se encerram em conjuntos específicos de datas, personalidades e documentos. Um documento traz o outro, uma lembrança traz outra, a memória voluntária estimula a memória involuntária. O Memorial da Inclusão pretende respeitar este dinamismo natural, e, assim, a Exposição aqui apresentada é o começo, um começo…
Que muitas lembranças, vívidas e vagas, objetivas e emotivas, munidas ou não de documentos escritos, sejam estimuladas pelos caminhos aqui traçados e aspirem compartilhar com este Memorial da Inclusão outros caminhos e mais saberes!

Visite o Memorial da Inclusão em formato virtual com total acessibilidade

logo_ampliado

O significado do logo

A transformação da crisálida em borboleta representa o sucesso de rompimento do seu próprio casulo. Sabe-se que essa etapa é fundamental para a sobrevivência da borboleta. A saída do casulo requer muita energia. Os movimentos são lentos, porém fortes e pontuais.

A espiral, na trajetória e nas antenas da borboleta símbolo do Memorial, significa esse processo pessoal e intransferível que a borboleta tem que cumprir por si mesma. Simboliza o protagonismo das pessoas com deficiência em defesa de seus direitos, representa sua trajetória da exclusão e invisibilidade para a cidadania plena. O colorido e o desenho assimétrico das asas remetem à diversidade humana e à variedade das deficiências, suas demandas e potencialidades.

Para muitas culturas, o circular e o espiralado representam o ciclo da vida e nos remetem à idéia de que não existem um começo, nem um fim. O Memorial da Inclusão, instalado num espaço redondo, reflete a história que representa. De qualquer ângulo que se olhe, podemos começar a conhecer a história do movimento social das pessoas com deficiência. Melhor do que um destino é refletir um ir além, um renovar.

O Memorial da Inclusão reflete, portanto, os significados da diversidade, do circular e do espiralado, os quais simbolizam as histórias e as memórias que se cruzaram e aquelas que ainda vão se cruzar para construir uma sociedade inclusiva.

 

Memorial da Inclusão – os Caminhos da Pessoa com Deficiência
Secretaria Estadual Direitos Pessoas com Deficiência

Av. Auro Soares de Moura Andrade, 564 – Portão 10 – Barra Funda – São Paulo – SP Tel.: (11) 5212.3700

Curadoria: Elza Ambrózio e Crismere Gadelha
Cenografia / Expografia : Jefferson Duarte e Yara Candotti

Criação do Logo: Jefferson Duarte
Cenotecnia: Candotti Cenografia – Macsil Indoor

Fotografias do Flickr: Jefferson Duarte

 

 


ATENÇÃO: Os comentários publicados nesta seção são de responsabilidade integral de seus autores e não representam a opinião da Celophane Cultural. Lembramos que não são permitidas mensagens com propagandas, conteúdos ofensivos, discriminatórios e desrespeitosos.


#OcupaSacy

jun 14, 2019

O Rouxinol e a Rosa

jun 13, 2019